Liga da Justiça de Zack Snyder

Por Remoto Controle -Jessé Costa em 27/03/2021
Liga da Justiça de Zack Snyder

O dia em que o cinema reconheceu que errou: Liga da Justiça de Zack Snyder

 

No último dia 18/03/2021 aconteceu uma coisa realmente diferente no mundo cinematográfico, o reconhecimento de um erro e, consequentemente a refilmagem de um filme enquanto a primeira versão ainda está em exibição nas TVs, ainda com certo sucesso. Esse fato se torna ainda mais surpreendente porque se trata de um gênero que atrai multidões e leva milhões de dólares aos cofres da indústria cinematográfica.

Para contar essa história, com a emoção com que ela merece ser transmitida, nada melhor que o depoimento de um fã (meu consultor para assuntos do multiverso dos super-heróis, meu filho, Hector Aguilera Costa):

“Quando a primeira versão do filme foi lançada em 2017, o sentimento que tive foi de frustração. Não só pela qualidade do filme, mas pela forma em que as coisas aconteceram (as quais eu prefiro não comentar). Meses depois eu ouço pela primeira vez o termo “Snyder Cut” junto com a hashtag #ReleaseTheSnyderCut. Logo que conheci esses termos, fiquei empolgado com a ideia, mas sempre tive em mente que seria algo impossível ou que não passaria de mais uma movimentação de “fandom” que não levaria a nada. Pois é, felizmente eu estava errado! Há basicamente um ano atrás ocorreu o anúncio oficial de que a versão do Zack Snyder de Liga da Justiça iria ser lançando através da plataforma HBOMax e desde então eu quase não pude conter minha ansiedade para ver o resultado (levando-se em consideração que só foi ao ar, na versão de 2017, míseros 25% do trabalho total de Snyder). Pois bem, um ano se passou e finalmente o dia 18/03/2021 chegou e pude conferir o tão esperado resultado final. O filme tem nada mais nada menos que 4h02 de duração e é dividido em 7 partes (6 capítulos e um epílogo) os quais passam voando devido a forma envolvente que a história é contada. Zack Snyder abusou dos seus pontos fortes: estética e fotografia. Todo esse tempo “extra”, digamos assim, é destinado ao aprofundamento da trama e a dar um background maior aos personagens principais, o que fez muita falta na versão de 2017, já que muitos membros do time de heróis ainda não tinha seu filme solo. Arcos históricos como os do Cyborg e do Flash tomaram uma outra proporção, ganhando mais destaque e papéis de extrema importância para o desfecho da história. A ressurreição do Superman foi tratada como algo muito mais épico, impactante e necessário. Até a motivação do vilão ficou muito mais plausível e compreensível, já que também ganhou um pano de fundo mais detalhado. Além de tudo isso, o filme conversa com as duas obras anteriores de Snyder para a DC, “Homem de Aço” e “Batman Versus Superman”, sendo assim, um belo desfecho para a trilogia (por mais que ainda deixe muitas pontas para um possível futuro), sendo a última parte a melhor das três. Não querendo entrar em questões muito técnicas, mas as escolhas de roteiro (principalmente do final) dão a obra a cara épica de que ela precisava. Muita gente acha que é apenas uma “versão do diretor” do filme de 2017, mas não, eu garanto a vocês, é outro filme. E isso fica bem claro a partir do terceiro ato, que quase fez minha cabeça explodir. Basicamente, era tudo que eu esperava ver em um filme da Liga da Justiça idealizado pelo Zack Snyder, tudo que eu esperava ter visto em 2017, mas que valeu a pena tanto tempo de espera. Realmente fica claro aqui o poder que as pessoas têm quando se unem. Quando imaginaríamos ver um estúdio voltar atrás dessa forma? Para mim é a primeira vez e talvez provavelmente a última. Enfim, o ponto negativo é que será muito difícil vermos uma sequência dessa história... mas espera aí! Não era quase impossível que esse filme fosse lançado algum dia? Então meu amigo, não duvide de nada! E antes que eu finalize, não poderia me despedir sem antes aderir a nova hashtag #RestoreTheSnyderVerse.”

.

Liga da Justiça de Zack Snyder está disponível, e pode ser alugado em plataformas como: Apple TV, Claro, Google Play, Looke, Microsoft, Playstation, Sky, Uol Play, Vivo e WatchBr, enquanto não se torna exclusiva da HBOMax.

 

Comentários

  • Sou fã do Snyder Adorei a visão dele. A Warner perde sua originalidade, ao querer imitar fórmula de terceiros.
    Rubens Mello
    28/03/2021
Aguarde..